Andri
  • Por: Andrieli Battú da Silveira
  • Contato: andri.battu@hotmail.com
  • Formação / Profissão: Estudante

Crônica das Pessoas da Cidade

Tenho alargado minha convivência com os seres de natureza feminina. O que tem me levado a algumas conclusões antes não percebidas. E: não se precisa de muito esforço para perceber o quão complicada e minuciosa és uma mulher.

Destaca-se por sua beleza, a qual apresenta-se de tantas formas e contornos, com traços e trejeitos exclusivos. É capaz de demonstrar em cada movimento do olhar, no balançar do cabelo, no mexer leve e delicado dos dedos, no caminhar dançante, os sentimentos volumosos e incontroláveis que se formam em seu interior e escapam sem descuido para fora do corpo. Mulheres pulsem energia. São vibrantes, brilhantes, e por vezes, intocáveis. São extremamente ocupadas, tarefas transbordam de suas agendas. Em sua grande maioria são organizadas, e conseguem se sair bem em meio a tanto tumulto. Mesmo que ao final o disso o cabelo esteja bagunçado e a roupa amarrotada.

Mas o mais interessante é que mesmo com tantos afazeres, elas arrumam tempo para “tudo”: comentar a vida alheia. Pensar no almoço, na janta, e no almoço de amanhã. Amar e incomodar o marido. Lavar roupa (não pense você que é fácil como costumam espalhar por aí, essa atividade requer atenção a várias etapas). E assim seguem todas as demais tarefas de quem tira letra uma jornada dupla. Zelam por sua profissão, pois compreendem relevante importância da mesma. Costumam manter, mesmo que inconscientemente, suas energias ligadas ao bem estar de seus filhos: onde estão, com quem, porquê e que hora retornam para casa. Só descaçam com o tilintar da chave na fechadura da porta.

Sim as mulheres pensam em si mesmas, sempre que possível tiram um momento para agendar um corte de cabelo, dar uma lixadinha na unha, fugir para a academia, tomar um banho demorado, administrar uma TPM, e todas as demais necessidades que o gênero exige. Contudo abrem mão de absolutamente tudo quando a saúde de alguém que amam está debilitada. São de fato o ser mais generoso e sensível. Logo, apresentam grande carência, algumas demonstram, outras preferem bancar a durona, mas no fundo, seus corações são belos e virtuosos jardins de flores, e necessitam de cuidados diariamente.

São mais propensas ao choro, isso porque suas emoções costumam estar sempre mais perto da superfície. Tem alta afinidade com a intensidade, e é desse modo que entregam-se as situações. Por vezes as lágrimas vazam sem um motivo específico, simplesmente porque elas precisam lavar a alma.

Convivem bem em grupo, pois tem na natureza a necessidade de cuidar e proteger, sem contar que conseguem esconder facilmente suas intenções, conclusões e meticulosidades de suas mentes, contudo em um estralar de dedos conseguem criar desavenças por conflitos de ideias, pois nem sempre dominam aquilo carregam sobre o pescoço e debaixo do peito. Tem dias que elas chupam limão no café da manhã, e tentam culpar todos a sua volta por isso. Nesses dias: afaste-se.

Mesmo assim são admiráveis, mas precisam ser profundamente estudadas, para bem próprio. Elas tem sim o privilégio de bancar lutas por direitos exclusivos e indispensáveis. Sem sombra de dúvidas tem plenitude para tanto.  Há sim a necessidade de proteção especial.  Sejam conquistas advindas de movimentos feministas, de mães que querem alimentar seus filhos naturalmente ou daquelas que tem o passado manchado por violência contra o seu corpo e sua integridade. Que sejam respeitadas indiferentemente de suas escolhas e personalidade. O que as mulheres precisam, o que ser humano necessita, o que o Mundo clama, é por paz e igualdade, sem exceções.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *