ANDRIELI
  • Por: Andrieli Battú da Silveira
  • Contato: andri.battu@hotmail.com
  • Formação / Profissão:

Crônicas das pessoas da cidade

Faça planos, mas não deprima-se caso eles não possam ser realizados, pelo menos, não exatamente pelo caminho que você desejou alcança-los.

Exemplo: sempre imaginei que eu fosse a primeira a “sair de casa”. Sabe, aquela coisa de gente grande. Pensava que fosse ter de ir estudar em outra cidade, mas como escolhi o direito para me fazer feliz, fiquei por aqui mesmo. Depois fiquei imaginando o dia em que diria aos meus pais: agora sim, estou pronta, vou voar! E neste momento deixaria a casa deles para começar a caminhar com as próprias pernas.

Contudo, veio o destino, pelos estranhos e misteriosos caminhos da vida e alterou todos “os meus planos”. Sem pedir, de forma violenta e covarde, levou meu amado pai embora (só a matéria, porque a energia fica). Com a sua partida, meu irmão, todo encorajado e disposto a seguir os passos do seu grande herói, voou, com apenas 14 anos. Agora, por necessidade, minha mãe vai ir passar um período junto dele. E eu fui a única que não voei para longe.

– Dos quatro, a que pensava voar primeiro, foi a única que ficou.

Necessário adaptar-se. Disso já falamos por aqui. Sabe porquê: “justo quando a lagarta achou que a vida tinha acabado, foi que ela se tornou uma linda borboleta” (Lamartine).

O que busco dizer: vão existir muitos percalços no caminho, desvios inesperados, e talvez o resultado não seja como imaginávamos, e nossa única opção é aceitar essas circunstâncias, as quais não temos o poder de controlar. Então, que sejamos sábios o suficiente para fazer planos que possam ser alcançados independente das condições que nos forem impostas, e que elas, por mais amargas que sejam, não roubem nosso riso.

Ademais, carinhosamente, uso este espaço para parabenizar meus Avós, que no dia 25/07/1964, na cidade do Braga, os jovens Adil e Selmira envoltos de paixão uniram-se em nome do matrimônio. Esperançosos e encorajados em construir uma história doaram-se ao lar. Da união nasceram seus 5 filhos: Almir (in memorian), Airtom, Idamara, Aldair (in memorian) e Marisa. Em 1980 deixaram o interior de Miraguai e mudaram-se para Três Passos. Adil criou e sustentou sua família pelas rodas do caminhão de carga enquanto Selmira dedicava-se integralmente ao cuidado dos filhos. Mais tarde, os filhos foram voando para longe e trazendo de presente os netos: Viviani, Alessandra, Emerson, Júnior (in memorian), Alexandre, Andrieli, Julia, Alice, Arthur e Eduardo; um bisneto, Matheus (in memorian). Desta longa caminhada de 55 anos de história, Adil e Selmira construíram uma grande família sempre com base no amor e união, com muita humildade e dedicação, dispostos a fazer do seu lar um local de aconchego, comemorando as conquistas familiares, vivenciando momentos de muita felicidade, e dividindo os momentos de dor e angústia. Hoje, os filhos e netos, com muita felicidade agradecem aos pais e avós pelo tempo dedicado à família, pela força e determinação em sempre fazer pelo melhor, pela fé que sempre os manteve em pé e pelo lindo caminho que escolheram seguir: o do amor! Que sejamos abençoados a viver por muitos anos esta data…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *