ANDRIELI
  • Por: Andrieli Battú da Silveira
  • Contato: andri.battu@hotmail.com
  • Formação / Profissão:

Crônicas das Pessoas da Cidade

Buenas!

Nós, viventes do Sul do Mundo, mais conhecidos por Gaúchos, carregamos no peito o orgulho de sermos filhos desta terra. Com o mês farroupilha, que já está se despedindo, isso fica ainda mais evidente. Durante o bonito setembro temos a graça de poder mostrar aos outros povos a beleza da nossa arte, a riqueza da nossa cultura, a força dos nossos ideias, a grandeza das nossas tradições.

Somos reconhecidos e admirados por grande parcela dos países vizinhos, e até mesmo dos mais distantes, em razão da naturalidade com que demonstramos nosso amor e devoção pela nossa bandeira. São muitos os hábitos e as peculiaridades que nos definem, entre elas: o bom e gostoso amargo.  Nosso chimarrão de erva verde.

Está tradição, herança dos índios Guaranis que habitaram nosso pago, tornou-se a bebida típica do nosso Estado, proveniente da infusão da erva- mate, planta nativa das matas sul-americanas. Pelos índios era conhecida por CAA, servida em porongo, sorvendo o CAÁ-Y, através do tacuapi. Com o tempo, os avios foram sendo alterados, surgindo a cuia e a bomba. Logo, está prática veio a ser o símbolo da hospitalidade e da amizade do gaúcho, passando de mão em mão, unindo gerações e mantendo acesa a chama da tradição e do afeto, que habita os ranchos, os galpões dos mais longínquos rincões do sul, chegando a ser o um veículo de comunicação. E hoje, é uma espécie de resistência cultural espontânea.

Tomar chimarrão, além de ser um hábito tradicional do gaúcho, traz inúmeros benefícios, por exemplo, auxilia no combate a fadiga, considerando que na composição da erva-mate existe cafeína, que ajuda a eliminar o cansaço físico e mental, regenerando as células e proporcionando mais energia. Ainda, em razão de suas propriedades digestivas é utilizada como laxante, sendo benéfica ao trato intestinal. Complementa naturalmente a dieta ao fornecer ao organismo minerais como ferro, fósforo, potássio e manganês.

O bom e velho amargo, quando cevado ao final do dia alivia as tensões e o estres, ainda mais quando saboreado junto a pessoas que amamos. Contudo, nossa centenária tradição, o virtuoso chimarrão, é apontado como possível agente cancerígeno, mediante um estudo realizado pela Agência Internacional para Pesquisa Sobre Câncer (IARC, na sigla em inglês) da Organização Mundial da Saúde (OMS). A pesquisa acende um alerta para o hábito e abre a discussão sobre a necessidade ou não de se moderar o seu consumo.

Isso porque o glifosato é um herbicida, largamente utilizado durante o processo de cultivo da erva-mate para matar vegetais que crescem ao redor da planta. O herbicida faz o mesmo trabalho que a prática de capinar faria, e também funciona para o controle de pragas. Trata-se de uma forma de fazer render a área produtiva e o uso de menos mão de obra nos ervais. Lembrando que existe uma regulamentação pelo Ministério da Saúde advertindo quanto a dosagem possível de herbicida em cada produto do mercado.

Existem evidências científicas, já comprovadas, de que as associações entre alta temperatura da água com herbicidas da erva-mate aumentam os riscos de câncer no esôfago, no estômago e na boca. Assim, no intuito de não ver comprometido nosso feliz hábito de chimarrear podemos buscar alternativas inteligentes que não prejudiquem nossa saúde.

Sabemos que o objetivo de matar as pragas com a utilização de agrotóxicos e derivados, nós, os consumidores, e inclusive, aqueles que aplicam estes agentes, tem sua saúde comprometida, diante dos efeitos prejudiciais que o agroquímico pode exercer, como o já mencionado câncer, o mal de Parkison, depressão, infertilidade, e até mesmo o comprometimento do sistema respiratório.

Deste modo, que tal a erva orgânica? Então, desde que se tenha confiança na origem da erva está é uma boa opção! Vale lembrar que todo alimento e produto de consumo sem a incidência de herbicidas é mais benéfico para a saúde, porém, precisa ser bem conservado e consumido dentro do prazo de validade. Em supermercados, é possível encontrar o quilo da erva-mate orgânica entre doze e dezesseis reais.

Sabe-se que para a conversão de sistema de produção convencional, que utiliza fertilizantes e agrotóxicos, para o sistema de produção orgânico, existem fatores que devem ser monitorados, em especial os econômicos e políticos. O que de fato, dificulta a conversão. Pois em um mundo baseado em cifras monetárias, a saúde, infelizmente, não é uma prioridade.

Contudo, nós, amantes do chimarrão não vamos abrir mão de matear, mas precisamos ter alguns cuidados. Certamente, em nossa região já existem produtores de erva orgânica, que merecem nosso incentivo e confiança. Portanto, vamos continuar a apertar o mate, com cautela e sabedoria, visando os benefícios de um mundo sustentável!

CURIOSIDADE:

SIGNIFICADO DOS MATES
Mate com açúcar:
 quero a tua amizade
Mate com açúcar queimado: és simpático
Mate com canela: só penso em ti
Mate com casca de laranja: vem buscar-me
Mate com mel: quero casar contigo
Mate frio: desprezo-te
Mate lavado: vai tomar mate em outra casa
Mate enchido pelo bico da bomba: vás embora
Mate muito amargo (redomão): chegaste tarde, já tenho outro amor
Mate com sal: não apareças mais aqui
Mate muito longo: a erva está acabando
Mate curto: pode prosear a vontade
Mate servido com a mão esquerda: você não é bem vindo
Mate doce: simpatia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *