Hoje é 7 de junho

Hoje é 7 de junho, Dia Nacional da Liberdade de Imprensa. A Lua é nova e o signo Gêmeos.

 

O dia 7 na história

1494 – Portugal e Espanha assinam o Tratado de Tordesilhas, que fixa um linha divisória para os descobrimentos de novas terras

1755 – Um terremoto no norte da Pérsia, atual Irã, deixa mais de 40 mil vítimas

1911 – Francisco Madero entra triunfal na cidade do México, após derrotar as tropas do ditador Porfírio Diaz

1914 – O Aliance, navio norte-americano de 40 mil toneladas, inaugura o Canal do Panamá, fazendo o trajeto do Oceano Atlântico ao Oceano Pacífico

1929 – A cidade do Vaticano torna-se um Estado soberano

1930 – Nasceu Bellini, bicampeão mundial e capitão da seleção brasileira de 1958. No mesmo dia 07 de junho, só que 40 anos depois, em 1970, nasceu outro capitão da seleção: o lateral direito Cafú.

1951 – São executados os últimos criminosos de guerra nazistas condenados pelo Tribunal de Nuremberg

1958 – Nasceu Prince, cantor e dançarino norte-americano. Dentre os seus principais prêmios estão sete Grammy’s, um Globo de Ouro e um Oscar. Prince morreu no último dia 21 de abril, aos 57 anos.

1985 – O grupo Sendero Luminoso realiza diversos atentados durante a visita do presidente argentino Raul Alfonsin, ao Peru

1989 – Morreu a cantora carioca Nara Leão.

2000 – O juiz federal norte-americano Thomas Penfield Jackson propõe dividir a Microsoft em duas empresas para evitar o monopólio no mercado de programas de informática.

2011 – Duas vezes campeão mundial pelo Brasil e eleito três vezes o melhor jogador do mundo, Ronaldo Fenômeno se despediu da camisa amarelinha. Ele participou dos últimos quinze minutos do jogo contra a Romênia, no estádio do Pacaembu. A seleção venceu por 1×0, gol de Fred.

2014 – Morreu, aos 36 anos, o ídolo do Internacional Fernandão. Capitão na maior conquista do clube, o mundial interclubes de 2006. Fernadão e outros quatro ocupantes estavam em um helicóptero que caiu na cidade de Aruanã, interior de Goiás.

 

Frase do Dia: “No fundo, no fundo, bem lá no fundo, a gente gostaria de ver nossos problemas resolvidos por decreto.” Paulo Leminski

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *