SELITO
  • Por: Selito Antônio Schmitt
  • Contato: selito@jornalatualidades.net
  • Formação / Profissão:

No Alvo

Susto serve para pensar

Depois do susto que nos deu a JBS com a possibilidade de até interromper as atividades em Três Passos (poc, poc, … bate na mesa!), seria bom que nossas lideranças, capitaneadas pelo prefeito Zé Carlos, além de buscar uma solução com as autoridades competentes, também pensassem e agissem no sentido de termos outras alternativas de desenvolvimento, especialmente no que tange às agroindústrias. Tenho confiança no tino do secretário de Planejamento, José Carlos Bourscheid, acredito que unido aos demais secretários como da Agricultura e Indústria e Comércio, juntamente com lideranças da área, poderia ser vanguardista em elaborar projetos buscando investimentos no setor. Nós precisamos da JBS, precisamos de qualquer empresa de porte que resolva aqui ou na região se estabelecer, mas também precisamos raciocinar que pequenas indústrias ajudam a fazer a diferença. Porque produzir suínos e frangos, por exemplo, só para a JBS e Mais Frango (de Miraguaí)? Porque não incentivar pequenas iniciativas, sem prejuízo das grandes? São projetos que dependeriam, obviamente, da interferência do poder público municipal aliado às demais lideranças empresariais e agrícolas, inclusive com subsídios para que se tornassem viáveis diante da concorrência desigual das gigantes.

Agroindústria Familiar

A propósito, foi assinada semana passada (quinta-feira,13), a Instrução Normativa Seapi nº 10/2018, na sede da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Irrigação, objetivando operacionalizar a adesão dos municípios gaúchos ao Sistema Unificado Estadual de Atenção à Sanidade Agroindustrial Familiar, Artesanal e de Pequeno Porte (Susaf-RS), instituído por lei em 2011 e regulamentado por  decreto em agosto de 2018.  A meta é atender cerca de 300 municípios e busca facilitar as adesões dos municípios ao Susaf, sistema que permite a comercialização de produtos de origem animal a nível intermunicipal, dando condições para as pequenas agroindústrias negociarem seus produtos em todo o território estadual.

Exemplo à Globo

Nossa RBS deu um exemplo de como se entrevista candidatos. Cristina e Carolina souberam perguntar sobre programas de governo e deixaram os candidatos falar. Já na Globo, Bonner e Renata pareciam querer eles ser as estrelas. Além de só se preocupar em encurralar os candidatos, não deram oportunidade que falassem sobre seus programas de governo.

Investigado

Na entrevista com o candidato do PT, os entrevistadores citaram uma enorme nominata de investigados, inclusive a ex-presidente Dilma. Haddad esclareceu que Dilma não é ré em nenhum processo. Bonner insistiu que foi investigada. Haddad, que burro não é, disse que a Globo também é investigada. Aí os apresentadores acharam que é diferente. Diferente no quê? Sobre essa entrevista li o que escreveu David Coimbra, em Zero Hora. Cito só um parágrafo: “A intenção é encurralar o entrevistado, expor suas contradições… Para tanto, é necessário ser firme, não agressivo. Boner e Renata são agressivos. Eles parecem odiar o entrevistado e, assim, deixam o espectador nervoso… É uma situação constrangedora, como a de quem presencia uma briga de casal”. Fenomenal, David!

Mais asfalto

Vereadores aprovaram por unanimidade segunda-feira projeto-de-lei para asfaltamento da rua Antônio Gonçalves de Oliveira. É uma das mais extensas ruas da cidade de Três Passos, começa lá na Av Ijuí (junto ao Lago Frei Ivo), passa o Cemitério Municipal e vai até aquele novo núcleo de casas populares. Aprovado o projeto, serão feitas as tratativas com os moradores, aberto edital de concorrência e tomadas outras medidas concernentes. É provável que as obras, de fato, sejam feitas só no próximo ano. A verdade é que o prefeito Zé Carlos está empenhado em dar uma nova cara para a cidade.

Paradas de ônibus

Vereador Arlei Tomazoni encabeçou projeto legislativo de número 18/18, sugerindo que empresas adotem paradas de ônibus. A ideia é fazer com que as paradas ofereçam um pouco mais de conforto para os usuários do transporte coletivo. Conversei com o vereador, ele entende que sem ônus para o município, com a colaboração de pessoas físicas ou jurídicas, podemos melhorar essas paradas, tanto na cidade como no interior do município.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *